Bactérias na formação das cáries

Nossas bocas têm centenas de tipos de bactérias, sendo que, algumas delas são mais agressivas na formação da doença cárie. Estes microrganismos fermentam o açúcar que comemos (discutido aqui, anteriormente) e liberam ácido, que em contato com o dente, o destrói.
Algumas bactérias conseguem se prender mais facilmente ao tecido duro, enquanto outras precisam se “agarrar” naquelas primeiras. As mais destrutivas não existem, normalmente, antes da erupção dos dentes, daí porque não se recomenda que os pais beijem a boca dos bebês, para evitar transmissão desses seres cariogênicos para um ambiente ainda não agredido.
Líquidos que matam bactérias são muito limitados e, normalmente, devem conter clorexidina 0,12%, em sua constituição. Devemos tomar cuidado no uso constante destes líquidos pois costumam, no decorrer do tempo, manchar os dentes. Enxaguatórios sem clorexidina são, em geral, pouco eficientes, somente “perfumando” a boca.